Os cupins ou térmites (do latim, termes = verme) são insetos da ordem Isoptera (do grego, isos = igual, ptera = asas, pois os alados apresentam dois pares de asas quase iguais). 

     São conhecidos pelos danos econômicos que causam em áreas urbanas e rurais, pois constituem em sistemas sociais que as madeiras e outros materiais de origem vegetal.  Entretanto cupins urbanos podem atacar materiais de natureza bastante diversa como: gesso, plástico, couros, tijolos, etc. 

    As comunidades de cupins vivem em ninhos, constituindo colônias.  Contém cerca de 2.800 espécies catalogadas no mundo. A maioria das espécies de cupins vive nas regiões tropicais e subtropicais, com algumas poucas se estendendo até latitudes mais elevadas, raramente além de 40o norte ou sul.  A dispersão e fundação de novas colônias geralmente ocorre num determinado período do ano, coincidindo com o início da estação chuvosa. São hemimetábolos, ou seja, apresentam metamorfose gradual, e têm aparelho bucal mastigador.

     No Brasil ocorrem quatro famílias de cupins: Kalotermitidae, Rhinotermitidae, Serritermitidae e Termitidae. Os Kalotermitidae são cupins considerados primitivos, que são capazes de viver em madeira seca sem contato com o solo e nunca constroem ninhos.  Já os Rhinotermitidae são na maioria subterrâneos e se alimentam de madeira, e alguns deles são considerados pragas bastante nocivas. A família Termitidae é bastante diversificada, e compreende cerca de 85% das espécies de cupins conhecidas do Brasil. Dentre os Termitidae, alguns são comedores de madeira, de folhas, de húmus, e também cultivadores de fungo (que não ocorrem no Brasil), e muitos constroem ninhos grandes e complexos. 

Fonte: Wikipedia.org e Cupim.net